#SaborPopcorn – 50 tons de cinza: então, né

Feliz Carnaval para todos!! E, como boa “crítica” de cinema, estou aproveitando meu feriado pra assistir vários filmes e vir aqui direto contar pra vocês o que achei. E o filme da vez é o tão esperado (talvez) 50 Tons de Cinza (50 Shades of Grey).

Antes de começar, deixem-me esclarecer que não li nenhum dos livros, nem uma palavra, nem uma letra justamente porque toda a febre 50 tons de cinza me irritou muito e não quis ler por causa disso. Quando fiquei sabendo que ia ter filme, pensei: ah. meu. deus. que saaaaaco, nunca que vou assistir essa porcaria. Porém, passaram alguns meses e a expectativa ao redor do filme só aumentou e os cinemas começaram com suas vendas de pré-estreias malucas e as pessoas do Facebook começaram postar seus ingressos enlouquecidamente. Então, toda a minha curiosidade foi atiçada e no primeiro convite: “Ei você quer assistir 50 tons….” QUERO! E fui.

Vou direto para o que achei, a história do livro todo mundo já sabe (nem que supercialmente, como era meu caso). Sendo sincera? Não achei o filme ruim, até gostei. Primeiro porque tem várias músicas da Beyoncé, o que me levou a cantar silenciosamente todas as músicas que tocaram (AMEI a versão nova de Crazy in Love, mas aqui é a coluna de cinema, vamos deixar isso pra depois hahahaha), logo… gostei da trilha sonora. Gostei bastante dos atores também, o Jamie Dornan, que faz o papel do Christian Grey é lindo demais! E como Anastasia Steele, está a Dakota Johnson. Obvio que a historia do filme é super fantasiosa. Não vejo nada do que aconteceu lá (do jeito que aconteceu, ok? Sei que tem sádicos no mundo, calma!) acontecendo na vida real. O “amor a primeira vista” foi exacerbado ao extremo e a cada coisa que acontecia eu ficava: não, sério?? Mas no todo, o filme é muito bem feito e as atuações não foram tão ruins quanto estou lendo por aí. Mas deu pra perceber que o filme foi bastante podado. Até os palavrões não fluíam tão naturalmente quanto outros filmes por aí (até comédias). Sem contar que reparei muita influência de Crepúsculo na história. E também não me deu vontade de ler os livros.

O problema de livros que viram filmes é que as pessoas esperam que o filme seja exatamente igual ao mundo que elas criaram na sua imaginação, ou que o filme siga todas as vírgulas e pontos finais do livro. Porém, não é assim. O filme nada mais é do que a visão do próprio diretor e roteirista do livro. E se todo mundo tivesse a mesma imaginação o mundo seria um lugar super chato 😛 Toda vez que um livro que eu amo vira filme, vou assistir com a mente mais aberta possível, e as vezes gosto bastante do filme (como é o caso de Jogos Vorazes, A Culpa é das Estrelas entre outros) e outras vezes não gosto tanto.

Sigam meu exemplo e vão assistir este e outros filmes de livros com a mente aberta. E caso você more numa caverna e não viu o trailer do filme ainda, claro que coloco aqui pra vocês 😀

 

2 comentários

  1. Carol   •  

    Adorei o post! Muita gente diz ter se surpreendido com o filme.
    Li todos os livros – o primeiro ok, é entertaining, os outros dois são péssimos eu li pq quis terminar a história – devia ter parado no primeiro.
    A história é super parecida com Crepúsculo pq era um fan fiction do Crepúsculo.

    • Jessica Cassilla   •     Author

      Oi Carol! Não sabia que era um fan fiction! Tem detalhes muito parecidos, e o mais surpreendente é que são detalhes hahahaha, não somente a ideia geral. Enfim, vc não é a primeira que me diz que só o primeiro livro vale a pena ler. Mas não sei, minha curiosidade não chegou a tanto 😛

Deixe uma resposta